PUBLICIDADE

Transmissão Aérea redefinida pela OMS  

A propagação de patógenos pelo ar tem sido descrita de diversas maneiras por diferentes partes interessadas há muito tempo. Durante a pandemia de COVID-19, os termos 'aerotransportado', 'transmissão aerotransportada' e 'transmissão por aerossol' foram usados ​​de forma diferente em diferentes disciplinas. Pensa-se que isto pode ter contribuído para a desinformação e confusão sobre transmissão de patógenos em populações humanas. Na verdade, a OMS foi criticada por ser demasiado lenta na classificação do SARS-CoV-2 como transmitido pelo ar.  

Portanto, a fim de proporcionar clareza, a OMS elaborou definições de transmissão aérea de agentes patogénicos e terminologias associadas, após uma consulta detalhada com agências e especialistas de saúde pública.  

Partículas respiratórias infecciosas (ou IRPs) 

De acordo com a nova definição. as partículas infecciosas geradas e expelidas por indivíduos infectados com um patógeno respiratório através da boca ou nariz ao respirar, falar, cuspir, tossir ou espirrar são descritas com o termo 'partículas respiratórias infecciosas' ou IRPs. Além disso, os IRPs existem num espectro contínuo de tamanhos, e nenhum ponto de corte único deve ser aplicado para distinguir partículas menores de partículas maiores. Assim, a dicotomia anterior de “aerossóis” (geralmente partículas menores) e “gotículas” (geralmente partículas maiores) é eliminada.  

Esta compreensão dos IRPs é útil na caracterização de uma doença infecciosa em que o principal modo de transmissão envolve o patógeno viajando pelo ar ou ficando suspenso no ar. 

Transmissão no ar 

A transmissão aérea ou inalação ocorre quando os IRPs são expelidos no ar e inalados por outra pessoa. Isso pode ocorrer a uma distância curta ou longa da pessoa infecciosa e a distância depende de vários fatores, como fluxo de ar, umidade, temperatura, ventilação, etc. Os IRPs podem, teoricamente, entrar no corpo em qualquer ponto ao longo do trato respiratório humano, mas são locais preferidos de entrada pode ser específico do patógeno. 

Deposição direta 

A deposição direta ocorre quando os IRPs são expelidos no ar por uma pessoa infecciosa e, em seguida, depositados diretamente na boca, nariz ou olhos expostos de outra pessoa próxima, entrando então no sistema respiratório humano e potencialmente causando infecção.  

Estas novas definições e entendimentos acordados sobre os agentes patogénicos e a transmissão através do ar deverão ajudar a definir novas agendas de investigação e a implementação de intervenções de saúde pública.  

*** 

Referências:  

  1. OMS 2024. Comunicado à imprensa – As principais agências de saúde descrevem uma terminologia atualizada para patógenos transmitidos pelo ar. Publicado em 18 de abril de 2024.  
  1. Relatório de consulta técnica global sobre terminologia proposta para patógenos transmitidos pelo ar. . Publicado pela OMS  

*** 

Equipe SCIEU
Equipe SCIEUhttps://www.ScientificEuropean.co.uk
Scientific European® | SCIEU.com | Avanços significativos na ciência. Impacto na humanidade. Mentes inspiradoras.

Assine nossa newsletter

Para ser atualizado com as últimas notícias, ofertas e anúncios especiais.

Artigos populares

O molnupiravir torna-se o primeiro medicamento antiviral oral a ser incluído nas diretrizes vivas da OMS...

A OMS atualizou suas diretrizes de vida sobre a terapêutica COVID-19.

Nova compreensão do mecanismo de regeneração de tecidos após radioterapia

Estudo em animais descreve o papel da proteína URI no tecido...

Em última análise, do que somos feitos? Quais são os blocos de construção fundamentais de ...

Os antigos pensavam que somos feitos de quatro ...
- Propaganda -
94,080fãsComo
47,562SeguidoresSiga-nos
1,772SeguidoresSiga-nos
30AssinantesSubscrever