PUBLICIDADE

Acidente Nuclear de Fukushima: nível de trítio na água tratada abaixo do limite operacional do Japão  

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) confirmou que o nível de trítio no quarto lote de água tratada diluída, que a Tokyo Electric Power Company (TEPCO) começou a descarregar em 28 de fevereiro de 2024, está muito abaixo do limite operacional do Japão. 

Especialistas estacionados no local da central nuclear de Fukushima poder (FDNPS) coletou amostras depois que a água tratada foi diluída com água do mar nas instalações de descarga em 28 de fevereiro. A análise confirmou que a concentração de trítio está muito abaixo do limite operacional de 1,500 becquerels por litro. 

O Japão está descarregando a água tratada do FDNPS em lotes. Os três lotes anteriores – um total de 23,400 metros cúbicos de água – também foram confirmados pela AIEA como contendo concentrações de trítio muito abaixo dos limites operacionais. 

Desde o acidente em 2011, a água é necessária para resfriar continuamente o combustível derretido e os restos de combustível na central nuclear de Fukushima Daiichi. Além da água bombeada para esse fim, a água subterrânea também penetra no local a partir do ambiente circundante, e a água da chuva cai nos edifícios danificados do reator e da turbina. Quando a água entra em contato com combustível derretido, restos de combustível e outras substâncias radioativas, ela fica contaminada. 

A água contaminada é tratada por meio de um processo de filtração conhecido como Advanced Liquid Processing System (ALPS), que utiliza uma série de reações químicas para remover 62 radionuclídeos da água contaminada antes de ser armazenada. No entanto, o trítio não pode ser proveniente da água contaminada através do ALPS. O trítio pode ser recuperado quando está altamente concentrado em pequenas quantidades de água, por exemplo, em instalações de fusão nuclear. No entanto, a água armazenada na central nuclear de Fukushima Daiichi tem uma baixa concentração de trítio num grande volume de água e, portanto, as tecnologias existentes não são aplicáveis. 

O trítio é uma forma radioativa de hidrogênio que ocorre naturalmente (meia-vida de 12.32 anos) que é produzida na atmosfera quando os raios cósmicos colidem com as moléculas do ar e tem o menor impacto radiológico de todos os radionuclídeos que ocorrem naturalmente na água do mar. O trítio também é um subproduto da operação de usinas nucleares para produzir eletricidade. Ele emite partículas beta fracas, ou seja, elétrons, com energia média de 5.7 keV (quiloelétron-volts), que podem penetrar cerca de 6.0 mm de ar, mas não conseguem penetrar no corpo através da pele humana. Pode apresentar risco de radiação se inalado ou ingerido, mas só é prejudicial aos seres humanos em doses muito grandes. 

Atualmente, a água contaminada produzida na central nuclear de Fukushima Daiichi é tratada e armazenada no local em tanques especialmente preparados. A TEPCO, a operadora da planta, instalou cerca de 1000 desses tanques nas instalações da NPS de Fukushima Daiichi para armazenar cerca de 1.3 milhão de metros cúbicos de água tratada (em 2 de junho de 2022). Desde 2011, o volume de água armazenada tem aumentado de forma constante e o atual espaço disponível nos tanques para armazenar esta água está próximo da capacidade máxima.  

Embora tenham sido feitas melhorias para reduzir significativamente a taxa de produção de água contaminada, a TEPCO determinou que é necessária uma solução de eliminação a longo prazo para ajudar a garantir o desmantelamento contínuo do local. Em Abril de 2021, o Governo do Japão emitiu a sua Política Básica delineando uma orientação para a eliminação da água tratada pelo ALPS através de descargas controladas no mar, a serem iniciadas em aproximadamente 2 anos, sujeitas à aprovação regulamentar nacional. 

Em 11 de março de 2011, o Japão foi abalado pelo Grande Terremoto do Leste do Japão (Tohoku). Foi seguido por um tsunami que resultou em ondas que atingiram alturas de mais de 10 metros. O terremoto e o tsunami levaram a um grande acidente na Central Nuclear de Fukushima Daiichi, que foi finalmente classificado como Nível 7 na Escala Internacional de Eventos Nucleares e Radiológicos, o mesmo nível do Chernobyl de 1986. acidente no entanto, as consequências para a saúde pública em Fukushima são muito menos graves. 

*** 

Fontes:  

  1. AIEA. Comunicado de imprensa – Nível de trítio muito abaixo do limite operacional do Japão no quarto lote de água tratada do ALPS, confirma a AIEA. Publicado em 29 de fevereiro de 2024. https://www.iaea.org/newscenter/pressreleases/tritium-level-far-below-japans-operational-limit-in-fourth-batch-of-alps-treated-water-iaea-confirms  
  1. AIEA. Descarga de água tratada pelos Alpes de Fukushima Daiichi. Sistema Avançado de Processamento de Líquidos (ALPS). https://www.iaea.org/topics/response/fukushima-daiichi-nuclear-accident/fukushima-daiichi-alps-treated-water-discharge 
  1. AIEA. Acidente Nuclear de Fukushima Daiichi https://www.iaea.org/topics/response/fukushima-daiichi-nuclear-accident  

*** 

Equipe SCIEU
Equipe SCIEUhttps://www.ScientificEuropean.co.uk
Scientific European® | SCIEU.com | Avanços significativos na ciência. Impacto na humanidade. Mentes inspiradoras.

Assine nossa newsletter

Para ser atualizado com as últimas notícias, ofertas e anúncios especiais.

Artigos populares

Nova Exolua

Dois astrônomos fizeram a grande descoberta...

Apelo do Serviço de Ambulâncias Galês por Honestidade Pública durante o surto de Covid-19

O Serviço de Ambulâncias do País de Gales está pedindo ao público que...

A vitamina C e a vitamina E na dieta reduzem o risco da doença de Parkinson

Uma pesquisa recente estudando quase 44,000 homens e mulheres encontra ...
- Propaganda -
94,539fãsComo
47,687SeguidoresSiga-nos
1,772SeguidoresSiga-nos
30AssinantesSubscrever